17 de mar de 2016

Dia 147: A Grande Ilusão (3 de agosto)

Preguiçando confortavelmente em frente à TV, sem conseguir levantar do sofá por nada neste mundo, eu decidi seguir com A Grande Ilusão (TheTruth about Emmanuel) até o fim - momento em que, aliás, durante os créditos finais, eu pensava sobretudo como esse filme poderia ser uma produção independente bastante interessante se não fosse não mainstream. Não sei se essa afirmação faz algum sentido...

A questão é que, se a escolha houvesse recaído para uma narrativa mais poética, esse filme teria sido muito belo.  Pessoas que experenciam um sofrimento intenso, mergulhadas na loucura proveniente da perda, parecem se direcionar instintivamente para o encontro com seus semelhantes. Esse espelho representado pelo outro é um caminho de superar um sofrimento tão gigante que acaba por se tornar a prisão mais eficiente do planeta. Esse filme conta a respeito de duas mulheres confrontando perdas que acabam por se complementar de uma maneira que o Universo aperfeiçoou magistralmente. Como eu disse antes, teria sido lindo se a produção não tivesse escolhido o meio termo entre uma narrativa delicada sobre duas pessoas perdidas em sua própria dor e uma trama de suspense (para prender o espectador?), o que resultou apenas em uma forma eficiente de desperdiçar a oportunidade de conferir mais poesia a uma boa história. 

http://onemovieadaywithamelie.blogspot.com.br/2015/08/day-147-truth-about-emanuel-august-3.html


A Grande Ilusão (The Trugh about Emanuel)Dirigido e escrito por Francesca
Gregorini, a partir da história de Sarah Thorp e Francesca Gregorini. Elenco: 
Jessica Biel, Kaya Scodelario, Alfred Molina. EUA, 91 min., Cor, 2013 (Net).



15 de mar de 2016

Day 146: The Lunchbox (2 de agosto)

Cada comunidade possui mecanismos sociais próprios. Nesse sentido, não é uma surpresa que a Índia apresentaria ao mundo um sistema tão maluco e incríveis coo o Dabbawala, o eficiente esquema de entrega de marmita de Mumbai. Criado há 125 anos, em 1890 (Obrigada, wikipedia), ele possui uma história de mínimos erros e falhas. Há tantos estudos a respeito, Príncipe Charles reconheceu o quanto eficiente esse sistema é... mas não é de espantar que o cinema escolheria justamente se debruçar sobre o Dabbawala com um olhar mais humano.  

A estimativa não muito exata é que esse aparentemente errático sistema de entrega possui uma margem de um erro a cada 6 ou 8 milhoes de entregas. Claro que o argumento de The Lunchbox (Dabba), uma produção de Bollywood de 2013, se concentra justamente em um dessas raras falhas. Uma esposa preocupada, solitária e cheia de esperanças envia ao seu marido uma marmita com suas novas aventuras culinárias, destinadas a alcançar o coração desinteressado e frio daquele homem por meio do estômago. Mas a comida chega a um dos outros milhões de trabalhadores em Mumbai. Graças aos deuses hindus de Bollywood que as coisas ocorreram dessa forma. 

Uma importante suposição neste filme diz respeito ao ditado segundo o qual "o trem errado pode levá-lo à estação certa". Por meio desse engano justo, dois indivíduos perdidos na falta de sentido das suas vidas cotidianas encontram outros significados e esperança de dias mehores um no outro. Eles estão conectados pela comida, um maravilhoso modo de união, e pela própria solidão, apesar das pessoas ao seu redor.

A vida pode ser um retrato fiel desse trem errado que nos leva à estação certa. Nesse sentido, são as pessoas que conferem sentido a essa jornada insana. 

Os personagens aqui são tão reais, tão próximos, cativantes. Desse modo, eu percorri todo o filme The characters in this movie are so real, so close, so endearing that I went through the whole filme like it was a lullay and I was being cuddled by such a delicate story. I don't know how to explain that exactly, but there's somehting about such real characters in a movie that never fails to break my heart and bring tears to my eyes. Despite being also funny (thanks mostly to the persistent Shaish) and sweet, I wasm ovied by The Lunchbox since the beginning til its unbelievable end. So much life in its amazing details, it is impossible not to get at least a bit emotional here and there. A lovely movie wiht belove characters.


The Lunchbox (Dabba). Directed and written by Ritesh Batra (With hindi
dialogues by Vasan Bala). With: Irrfan Khan, Nimrat Kaur, Nawazuddin
Siddiqui.  India/France/Germany/USA, 2013, 104 min. Dolby Digital,
Color (Cable TV).


PS: Penny Dreadful, season 2, til the heartbreaking end. 

PPS: When Ila tries to explain to the Dabba deliveryman that there has been a mistake, he says that she is the wrongful one. After all, they are talking about a system validated by harvard and the "king" of England. Not a small feature, right? But this scene annoys the hell out of me, because the despising ways by which the guy alludes to the woman's complaint is a small but very effective dose of the lack of a female voice and respect in India and, course, in general. 

http://onemovieadaywithamelie.blogspot.com.br/2015/08/day-146-lunchbox-august-2_4.html



PPPS: I was so suspicious of being caught by another too-painful-to-stand movie that I've asked two friends about The Lunchbox before choosing to see it in this sunday night. Thanks to Sá e Kal, I've reached this incredibly sweet and delicate story.