30 de jun de 2015

Dia 35: 50% (13 de abril)

Há vários e inúmeros filmes sobre personagens fortes e inspiradores em sua luga contra a doença (Você mesmo aí, Nicholas Sparks). Câncer r é uma dessas doenças, e normalmente saímos do cinema considerando esses personagens verdadeiros heróis, como especiais. Eles são, sem dúvida, mas não pelas razões comumente descritas nessas histórias exageradamente sentimentais. 

50%, por outro lado, apresenta um cara que se vê diante de um diagnóstico difícil: com apenas 27 anos, Adam tem de confrontar um câncer que tem um nome impos´sivel de pronunciar e um tratamento com ainda piores efeitos colaterais. Ele é o que se pode considerar um cara absolutamente comum, num dia-a-dia igualmente regular, mas com um cenário extraordinário à frente. Um que ele provavelmente terá de enfrentar sozinho... 

Baseado na história de Will Reiser, roteirista do filme, que a escreveu sobre o que vivenciou sob o incentivo de Seth Rogen, um dos atores de 50%, esta produção tem um respeito honesto pelos pacientes de câncer e todos os aspectos que enfrentam. Não há nada extraordinariamente comovente sobre Adam além da sua humanidade, da sua vida. E há algo mais importante? Acho que não. 

Um pensamento me ocorreu enquanto acompanhava Adam na sua rotina comode paciente de câncer, uma situação diante da qual eu me vi também (mas que nunca representou um risco de vida, no entanto): algumas coisas precisam ser enfrentadas em solidão. Não há outra forma. Apesar de cercado por família, amigos maravilhosos e que dão todo o suporte, assim como uma equipe médica competente, lidar com essa doença é uma tarefa pessoal e intransferível. Quando aceitamos esse fato simples, tudo se torna diferente. Cercados por pessoas, em um momentos nos encontramos verdadeiramente sós, ao menos naquele instante... até as coisas começam a fazer sentido novamente, e tudo ao nosso redor assume outros (melhores) sentidos. Somos capazes, então, de olhar as pessoas e as situações sob outra perspectiva, com olhos mais cuidadosos e amorosos. E isso acaba por ser um verdadeiro presente em meio ao caos. 

Para mim, essa foi uma das maiores e mais gratificantes descobertas na vida, uma que eu posso ver na história silenciosa e belamente comum de Adam. 

http://onemovieadaywithamelie.blogspot.com/2015/04/day-thirty-five-april-13.html

50/50. Dirigido por Jonathan Levine. Com: Joseph Gordon-Levvit, Seth Rogen,
Anna Kendrick, Anjelica Houston. Writer: Will Reiser.  EUA, 2011, 100 min.,
Dolby Digital/SDDS/DTS, Color (Netflix).


PS: Daredevil, 2015 - Temporada 1, episódios 5 e 6. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário