3 de jul de 2015

Dia 43: Não Olhe para Trás (21 de abril)

Conforme as palavras que surgem na tela escura no começo do filme, Não Olhe para Trás (Danny Collins) é meio que um pouco baseada numa história real. Para mim, não há melhor descrição sobre o que é uma história baseada nos infames fatos reais.  . 

Basta colocar os chamados fatos reais num roteiro para o cinema para podermos considerá-los como ficção, retirando daí, então, toda a a verdade sobre a vida que as histórias ficcionais são capazes de expressar. Mas foi interessante saber que a carta de John Lennon existe em alguns lugar neste mundo e pode alcançar seu destinatário mesmo que com 40 anos de atraso.  

 Joseph Campbell descreve a Jornada do Heróis como um arquétipo da vida humana na terra - espiritual e materialmente. Um dia, na vida cotidiana do herói, acontece um evento que o transporta do ordinário para o extraordinário, de forma que ele se torna consciente de sua real natureza, do herói que ele realmente é. Há alguns obstáculos, muitas adversidades no seu caminho pela conscientização de si próprio, mas ele também encontra um bocado de ajuda. Ao final, ele retorna ao seu mundo conhecido, mas se encontra totalmente diferente. fim da história, última página do livro, as luzes acendem no cinema... no entanto, a jornada do herói continua, sem nunca ter fim na verdade. 

Esse processo é representado em 99,9% dos filmes, se não na sua totalidade. Todo protagonista é uma espécie de herói em sua jornada, apresentada em todas história ficcional ou "verdadeira". 

Danny Collins não é diferente, senão por um detalhe: o filme não termina na conclusão da jornada. Muito ainda está por vir, até  que Danny (Al Paccino) possa se declarar pronto para a próxima aventura, por assim dizer. 

Alguns aspectos do filme giram em torno de John Lennon e a carta que escreveu para um músico que tinha receio do sucesso. Assim, fiquei feliz em ouvir algumas das minhas músicas favoritas de Lennon, um parte importante de um determinado momento da minha vida. No entanto, preciso destacar que a trilha sonora não foi bem utilizada na produção - ele poderia ter sido ainda melhor, mesmo que John Lennon, por si só, já seja incrível. Durante todo o filme, eu comparei o uso da trilha sonora em Danny Collins com o uso das músicas dos Beatles em Uma Lição de Amor (I Am Sam2001). Eu chorava tão fortemente neste último, mas não por conta da história. Todas as canções cover dos Beatles foram tão bem situadas na narrativa que elas contam uma história para além do que vemos na tela, de tal forma que ainda me emociona. Uma pena que assim não foi possível no filme de hoje. 

Mas a história é querida, as conecções entre as pessoas comovem, e os milagres necessários na vida de Danny não acontecem de uma vez só... eles ainda estão lá, um a cada dia, independentemente do lugar em que os personagens fictícios continuem a existir depois da cena final. 

Danny é um fofo, mas super confuso. e enrolado

Não Olhe para Trás (Danny Collins). Dirigido e escrito por Dan Fogelman. 
Com: Al Paccino, Jennifer Garner, Christopher Plummer, Annette
Bening. EUA, 2015, 106 min., Dolby Digital, Color (CInema).


PS: Fragmento: O Estranho Thomas (Odd Thomas), 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário