11 de jul de 2015

Dia 87: Amaldiçoado (4 de junho)

Espera ai... o quê???

Esse foi meu pensamento contante durante Amaldiçoado (Horns), um filme de 2013 com Daniel Radcliffe.

Outro pensamento foi como atores realmente poderiam se beneficiar de alguém que os aconselhasse sobre quais filmes são melhores para eles, a fim de não cometer um erro tão grotesco como Hadcliffe em Horns. Espera aí mais um pouquinho... essa pessoa existe e se chama agente. O de Radcliffe com certeza não tem muita fé nos poderes de Harry Potter. 

Eu tento acompanhar a carreira de Radcliffe depois de HP, mas não tem sido fácil. Espero que ele acerte na próxima. 

Sobre Horns, a impressão é de que há muitos filmes e diretores dentro dele, é confuso - e ridículo em alguns momentos. De início, parecia um dos contos de David Lynch sobre a perversidade das pequenas cidades, uma história obscura sobre o que se esconde por detrás das casas perfeitas e famílias felizes. Mais adiante, e o filme se parecia com o terror de Stephen King. Depois disso, houve relances de Sexta-Feira 13... e Tarantino. Pode-se dizer, no mínimo, que é muito doido. A história sobre a força do amor se perdeu sob todo esse entulho bizarro. 

Um filme sobre a perda da alma, e ele não tem nenhuma. É frio até mesmo na (horrorosa e superficial) cena de amor. 

Adaptado do livro de Joe Hill (o filho de Stephen King, aliás), essa história talvez funcione melhor no papel que na tela. A narrativa em voice-over foi um substituto inadequado para a voz em primeira pessoa do livro, enfraquecendo bastante um filme já questionável. Ele possui um argumento interessante sobre como uma pessoa pode se tornar diabólica ao buscar vingança, mas a forma como retratada no filme é mais repugnante do que intrigante. Nojento, totalmente eca, e de fato muito ruim. 

http://onemovieadaywithamelie.blogspot.com.br/2015/06/day-eight-six-horns-june-4.html

Amaldiçoado (Horns)Dirigido por Alexandre Aja. Com: Daniel Hadcliffe, 
Juno  Temple, Max Minghella. Roteiro: Keith Bunin a partir do livro de Joe
 Hill. EUA/Canadá, 2013, 120 min., Dolby Digital, Color (Netflix). 



PS: Desde o começo eu já imaginava o quão amaldiçoada seria minha escolha de hoje... mas estou lendo uma série de mistério e romance que tem algumas coisas em comum com esse filme, pelo menos à primeira vista. Então achei interessante misturar as duas histórias. Não foi nada legal, mas nós só podemos nos dar conta disso se arriscarmos, certo? 

PPS: Fragmento: Poldark, temporada 1, episódio 1, 2015. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário