8 de jul de 2015

Dia 60: Tangerines (8 de maio)


Quando Tangerines (Mandariinid) foi indicado ao Oscar de Melhor Filme estrangeiro em 2015, eu imediatamente o escolhi como favorito. Eu estava sendo um pouco tendenciosa, claro, por nenhuma razão em si que não torcer por um país  no qual fazer cinema deve ser um ato estóico. 

Contar uma história de forma bela e ao mesmo tempo honesta e simples não é fácil. Quando diante de uma narrativa que parece nos levar pela mão, tudo parece tão claro. No entanto, alcançar esse intento acaba por se configurar como uma das grandes forças de um cineasta. 

Mandariinid é pura beleza em seu modo simples de contar uma história difícil. A partir da crescente camaradagem entre quatro homens, alguns deles inimigos de guerra,  Zaza Urushadze nos conduz a uma percepção bastante vívida: se por um lado, as pessoas podem nos fazer perder a fé na humanidade, por outro elas também a restauram. Essa visão nós temos por meio de Ivo, minha pessoa favorita no mundo neste momento. Porque um homem lúcido, silencioso, que se importa com as coisas e pessoas ao redor faz toda a diferença no mundo, especialmente num tempo tão impossível quanto os de guerra. Com ele, nós podemos nos dar conta o que realmente importa nesta insana e absurda vida na terra. 

Em um minuto eu me encontrava rindo silenciosamente... e, no próximo, eu chorava com tanta tristeza, pensei que meu coração fosse quebrar de fato. Aqueles personagens? Nada fictícios para mim. Eles são pessoas, e sua perda era minha também, naquele instante. Um grande silêncio ainda está em mim, e o agradecimento por cineastas fortes e persistentes, com seu olhar cuidadoso e atento para  a humanidade. 

Tangerines (Mandariinid). Dirigido e escrito por Zaza Urushadze. Com:
Lembit Ulfsak, Elmo Nüganen, Giorgi Nakashidze, Misha (Mikheil) Meskhi.
Estônia/Georgia, 2013, 87 min., Color.  


PS: Na página de Tangerines no imdb.com, uma das palavras-chave para o filme é "bever chá" (tea drinking :). É bastante exato, na verdade.  

PPS: Fragmento: Operação Sombra: Jack Ryan (Jack Ryan: Shadow Recruit, 2014).

Nenhum comentário:

Postar um comentário