8 de jul de 2015

Dia 64: O Crítico (12 de maio)

Ao navegar pela programação da TV a cabo, eu vi a sinopse de O Crítico (El Critico), uma  co-produção argentina e chilena de 2013. Eu não sabia nada mais sobre o filme e resolvi escolhê-lo para o dia 64 do desafio. 

Eu amo o cinema argentino (um país relativamente pequeno com uma filmografia de destaque), e o argumento deste parecia interessante. Mas, às vezes, as palavras que descrevem um filme são mais atrativas que o filme em si. 

Claramente destinado aos amantes do cinema, O Crítico  traz algumas referências inteligentes e engraçadas. De início, um cara que fala espanhol mas pensa no idioma do seu cinema favorito, o francês, é tão certeiro em como os filmes nos afetam que eu comecei a pensar que esse filme iria funcionar melhor do que na verdade consegue. A ideia de um crítico de cinema cínico (e há outro tipo?) vivenciando o tipo de história que normalmente despreza com todas as forças é um bom argumento, mas não é suficiente para fazer um bom filme. 

Eu não sou uma fã incondicional de críticos de cinema. As críticas especializadas geralmente são muito empenhadas em classificar de acordo com critérios preconcebidos demais para o meu gosto. Normalmente, eu busco outras opiniões em blogs ou no imdb.com, nos comentários de espectadores. A meu ver, as críticas conseguem se afastar tanto do que para mim é importante no cinema que eu acabo por evitá-las. E mesmo que eu não seja capaz de fugir de aspectos críticos nos comentários aqui feitos, eu tenho me afastar deles ao máximo.  O personagem do crítico reforçou essa minha convicção. Ele é tão preconceituoso, tão fechado em seus próprios conceitos que o filme à sua frente é nada mais que um objeto de análise. É realmente triste que alguém que afirma amar o cinema possa reduzir os filmes a um objeto distante. 

Esse aspecto é discutido no filme por meio das adversidades de um cara super cínico que despreza comédias românticas no cinema, mas que, por fim, se vê vivenciando uma delas. Todos os clichês estão ali, e ele se regojiza com cada um deles. Seria engraçado se a história tivesse sido melhor construída. O protagonista é cansativo, os personagens secundários são rasos (mesmo a sobrinha do crítico, uma personagem que poderia ter sido incrível se desenvolvida com maior cuidado), a trilho sonora não conquista, o ritmo da narrativa é não é bem conduzido... e aqui estamos nós, numa crítica a respeito de O Crítico.  Nada interessante, não é? 

Ao menos eu realmente gostei das várias referências cinematográficas. Mas, ao final, como disse o próprio personagem, depois de dois minutos minha cabeça estava em outro lugar, o filme completamente esquecido, até que eu comecei a escrever sobre ele. 

O Crítico (El Crítico). Dirigido e escrito por Hernán Guerschuny.
Com: Rafael Spregelburd, Dolores Fonzi, Blanca Lewin. Chile/Argentina,
2013, 98 min., Dolby, Color (Net). 



Nenhum comentário:

Postar um comentário